Centro das Artes - Casa das Mudas



 

MANUAL DA QUALIDADE – Descrição

         Esta versão do Manual de Qualidade é uma breve descrição do sistema de gestão da qualidade que se pode adaptar ao Centro das Artes - Casa das Mudas, reflectindo os requisitos da Norma NP EN ISO 9001: 2000.

                     Este documento estabelece o compromisso da direcção e de todos os colaboradores do Centro das Artes — Casa das Mudas, para com o cumprimento dos requisitos e para com a melhoria continua da eficácia do sistema da gestão da qualidade. Assim, consiste num documento de referência, quer para o uso interno quer nas relações com os seus clientes e fornecedores.

         A direcção designa como responsável para o sistema de qualidade o Dr..............., que de acordo com a disposição da norma NP EN ISO 9001: 2000, cumprirá e fará cumprir as determinações do Sistema de Qualidade.

 

1. Resenha Histórica

          O Centro das Artes teve início como Casa das mudas, resultando da reconstrução de um edifício antigo transformado em galeria de arte.

No começo deste século teve início a construção do seu Centro das Artes, projectado pelo arquitecto Paulo David, tendo sido objecto de várias menções honrosas e de um prémio internacional no campo da arquitectura.

         Actualmente o Centro das Artes engloba a Casa das Mudas, tendo-se tornado já  numa referência complementar de visita da nossa ilha.

 

2. Organograma

 

3. Referenciais Normativos

NP EN ISO 9001/2000: Sistema de Gestão da Qualidade— Requisitos;

 

NP EN ISO 9004/2000: Sistema de gestão da qualidade – Linhas de orientação para melhoria de desempenho.

 

4. Requisitos de Gestão

        O Centro das Artes – Casa das Mudas, assegura o cumprimento de todos os requisitos regulamentadores da Norma ISO 9001: 2000, estabelecendo como responsabilidade e prioridade a satisfação contínua dos seus clientes.

Entende-se, por isso, como fundamental:

·        Cumprir com todos os requisitos necessários em termos de espaço físico/salas, garantindo assim a confiança, flexibilidade, padrões competitivos de qualidade, preços e prazos.

·        Promover a Formação e a experiência dos seus colaboradores.

·        Incentivar os seus colaboradores para a inovação, promovendo o empenhamento e realização pessoal, e, simultaneamente, a sua colaboração continuada para a melhoria do sistema de gestão de qualidade.

·        Fomentar a aplicação da Política da Qualidade e o conhecimento dos Objectivos da Qualidade entre os seus colaboradores.

·        Avaliar continuamente os resultados junto dos clientes, promovendo um espaço comum na aplicação da melhoria contínua.

·        Auditar periodicamente o sistema de gestão da qualidade implementado, tendo por base a regulamentação existente.

 

5. Missão

  • O Centro das Artes—Casa das Mudas pretende ser uma imagem de marca, quer a nível da galeria de arte, como também como sala de espectáculos.
  • Obter notoriedade no panorama nacional como referência na área das artes.
  • Conquistar a fidelidade dos residentes da ilha e despertar a curiosidade do visitante, baseado nos princípios da qualidade total.

6. Objectivos

          De modo a cumprir com a política da qualidade, o Centro das Artes – Casa das Mudas compromete-se a definir objectivos da qualidade, em conformidade com a matriz dos objectivos (Modo DQ).

 

7. Elementos Gerais

         Os elementos gerais constam em anexo.

 

8. Sistema de Gestão da Qualidade

O SGQ implementado está definido como o conjunto da estrutura organizacional, das responsabilidades e funções, dos procedimentos e métodos de trabalho e de espaço, para atingir os objectivos decorrentes da política e estratégia da qualidade da organização.

 

Conteúdo dos documentos                                                                                  

Descreve o Sistema de Gestão de Qualidade

 de acordo com a política e objectivos definidos para a qualidade e com a Norma NP EN ISO 9001/2000.                                            

Descrevem as actividades de cada processo ou unidade funcional, necessárias para a implementação dos elementos do sistema.

Descrevem actividades operacionais ou fornecem dados de forma pormenorizada.

Revisão do sistema de gestão da qualidade e avaliação dos resultados.

O SGQ implementado e valido pelo menos uma vez por ano, pela direcção convocando para o efeito uma reunião com os responsáveis com diversas áreas.

Estas revisões periódicas permitem avaliar a adequabilidade e eficácia do SGQ.

A avaliação efectua-se de acordo com o processo de gestão -- revisão pela gestão recorrendo a outros elementos de suporte que sejam considerados necessários. De modo a torna-la coerente e comparável aos anos anteriores, serão apurados no final do ano indicador estabelecido.

Requisitos gerais

-O sistema esta documentado através de processos, procedimentos e manual da qualidade, que evidenciam a sua implementação através de um conjunto de registos de qualidade.

-O SGQ, baseia-se num modelo processual cíclico, desencadeado pela identificação dos requisitos do cliente, progredindo para o desenvolvimento de um conjunto de actividades geradoras de valor acrescendo, e completa-se na satisfação do cliente do fornecimento do produto ou serviço pretendidos.

A rede de processos que sustenta do funcionamento da organização esta interligada. Cada processo está identificado em função de negócio, do valor acrescentado que proporciona, da política que reflecte acultura da empresa, requisitos do cliente e objectivos pretendidos. A sua gestão assenta numa perspectiva de melhoria contínua, deste modo, o desenvolvimento de cada processo é planeado e posteriormente verificado e medido.

 

9. Caracterização dos Processos

O Modelo processual estabelecido pela Centro das Artes, assenta em três grupos de processos, que garantem a identificação dos requisitos aplicáveis da Norma NP EN ISSO 9001/2000, a conformidade dos processos para com esses requisitos e a sequência de interacções entre os principais processos.

 

O Processos de Gestão, nomeadamente a Revisão pela Gestão, define todas as orientações estratégicas para a organização, bem como traduzem o compromisso e envolvimento dos Órgãos de Gestão no desenvolvimento e manutenção do SGQ.

 

Os Processos Chave, contribuem directamente para a realização do serviço. Traduzem assim a materialização do valor acrescentado que a organização fornece aos seus clientes.

 

A estratégia da qualidade definida e os compromissos assumidos suportam-se nos procedimentos regulamentadores dos processos necessários para o SGQ.

Os Procedimentos por sua vez, estabelecem o controlo dos diversos documentos criados para veicular a informação interna e externa, bem como a informação de suporte, tal como normas e comunicações diversas, incluindo informação de origem exterior que não sendo concebida pelo SGQ, é, por ele, utilizada.

 

10. Interacção de Processos

 

11. Definições

Revisão: Controlo documental provocado por alteração ou qualquer modificação ao conteúdo do documento ou verificação do documento.

Manual da Qualidade: Documento que especifica o sistema de gestão da qualidade de uma organização.

Processo: Conjunto de actividades relacionadas com espaços e prestação de serviços.

Procedimento de Qualidade: Documento que descreve o que fazer no domínio de uma determinada actividade, com vista ao cumprimento dos requisitos enunciados.

Modelo: Formato que serve de base à elaboração de documentos ou registos.

Melhoria Contínua: Actividade permanente com vista a incrementar a capacidade para satisfazer requisitos.

Política da Qualidade: Conjunto de intenções e de orientações de uma organização, relacionadas com a qualidade,  formalmente expressas pela gestão de topo.

 

   Anexos

                       Inquérito de Satisfação

 

Entrevista efectuada ao Dr. Ricardo Velosa,

Director do Centro das Artes – Casa das mudas.

 

Quem é a entidade que tutela o Centro das Artes – Casa das mudas?

RV: É a Sociedade Ponta Oeste – Sociedade de Desenvolvimento.

 

O centro das artes engloba a casa das mudas e a sala de espectáculos?

RV: A sala de espectáculos sim, a casa das mudas neste momento depende directamente da DRAC.

 

O contacto entre a galaria e o artista é feito como, galeria/artista ou artista/ galeria?

RV: Acontece nas duas situações.

 

 Quem É o responsável pela aprovação do novo evento (exposição ou espectáculo).

RV: A primeira aprovação e feita pela direcção.

 

Quais são os requisitos para a aprovação?

RV: É essencial a qualidade, quer do trabalho, quer do artista.

 

E os artistas, têm requisitos em relação à galeria?

RV: Sem dúvida, a luz, a humidade, e a acústica por exemplo são as principais exigências, é o que a nossa sala corresponde.

 

Depois de aprovada a exposição ou o espectáculo, quais são os procedimentos que se seguem?

RV: É agendada a exposição, de seguida procedem-se os contactos com as empresas que irão encarregar-se do embalamento, transporte, e montagens que normalmente está a cargo da DRAC, dependendo das dimensões dos trabalhos. Todos estes procedimentos são da responsabilidade do Centro das Artes.

 

Se lhes faltar material para a montagem de uma exposição, ou para um espectáculo, contactam algum fornecedor?

RV: Não tem sido necessário pois a DRAC dá sempre resposta.

 

 
ULTIMA ACTUALIZAÇÃO: 4 DE JUNHO DE 2008